26/mar/2018 por

Versos de uma violência silenciada

Imagem texto tay

Eu mulher, feminista

Entendida dos meus direitos

Estudante das raízes da opressão das mulheres

Patriarcado!

Aquilo que também carrego no sobrenome por ironia do destino, Patriarca.

Também um dia fui violentada no trabalho

“Queria um corpo desse lá em casa”

Ele repetiu duas vezes pra ter certeza que eu ouvi.

Eu mulher, feminista

Não consegui ter reação

Era nojo, raiva, dor que eu senti.

Foi estupro só com os olhos, só com as palavras.

Mas eu repito, foi estupro!

Eu mulher, feminista

Depois de algumas horas angustiando

Fui ter minha reação

Tremendo, mas fui!

Porque enfrentar o agressor é também vivenciar de novo a violência

E apesar de feminista

Eu também fui criada pela sociedade do medo.

Eu não queria ter medo e me culpava por isso.

Resolvi tomar outras medidas práticas, ouvidoria.

Eu sabia que aquilo não resolveria, mas pelo menos incomodaria.

O que eu queria mesmo era ter coragem de ir à Delegacia da Mulher

Fui… Mas não entrei.

Já entrei nessa Delegacia tantas vezes pra segurar a mão de outras mulheres

Ali vi com frequência a violência se repetindo pela segunda vez

Mas eu não tive outra mulher pra segurar minha mão

E eu nunca consegui entrar naquela Delegacia

Eu evitei ser violentada pela segunda vez, pensei

Não foi justo comigo, não foi justo com outras mulheres

Não tive forças

Guardei comigo a revolta

Mas não pude evitar ser violentada por uma segunda vez tempos depois

Quando contei para pessoas próximas o ocorrido

Quando afirmei ter sofrido violência, escutei

“Mas foi você quem quis morar sozinha”

Me surpreendi com outros dizendo

“Quando você diz que foi violentada, parece que foi algo grande! Mas ele nem tocou em você”

Foi violência sim!

Foi estupro sim!

Com os olhos

Com as palavras

Com o privilégio

Com o poder

Deixa marcas!

No corpo? Não

Na alma!

Hoje, eu mulher, feminista

Resisto

Não sozinha

Mas com tantas outras

Que assim como eu caem

Levantam

E continuam a caminhar.

Afinal, somos nós por nós mesmas.

Nós mulheres, nós feministas!

Imagem: insert

Acompanhe as publicações e curta a página d’O Novelo no Facebook aqui