20/mar/2016 por

Panorama das pesquisas envolvendo sustentabilidade e desenvolvimento sustentável no Brasil

7687_981954138555060_2727727917821108028_n

 

por Érik Álvaro Fernandes e Carlos Eduardo de Lima.

Desde que os termos ‘desenvolvimento sustentável’ e ‘sustentabilidade’ passaram a figurar nas agendas organizacionais e institucionais, ocorreram muitos debates acerca das suas implicações políticas, ideológicas e práticas.

Mais especificamente, dentro do campo dos estudos organizacionais, há uma corrente que acredita que a sustentabilidade não passa de uma nova roupagem para a ideia desenvolvimentista capitalista . Nesta visão, o ato de sustentar-se é sinônimo de manutenção do desenvolvimento econômico, ideia essa que tem intensificado os problemas sociais e ambientais. Dessa forma, o equilíbrio intrínseco ao termo em relação às esferas sociais, ambientais e econômicas é tida como uma falácia, digna de crítica e novas reflexões.

A outra corrente destaca que os problemas da sociedade atual têm origem na forma como as organizações atuaram nas últimas décadas, por outro lado, também caberiam a essas organizações o papel de promover a sustentabilidade, influenciando a operacionalização e a propagação dos seus princípios.

A figura abaixo expõe as abordagens envolvendo a sustentabilidade e as organizações em 170 trabalhos oriundos dos 20 periódicos de maior influência no país.

Quando se tenta relacionar as principais abordagens e alguns fatos marcantes no Brasil, como a crise hídrica na cidade de São Paulo e o maior acidente ambiental do país, o caso Samarco, percebe-se um descompasso entre o foco da pesquisa universitária e a realidade. No caso da pesquisa, os termos ‘responsabilidade social’ e a ‘gestão ambiental’ são relevantes no meio acadêmico, porém não se convertem em políticas e ações práticas pró-sustentabilidade ou na materialização de um escopo de sustentabilidade brasileiro capaz de guiar o país nesse contexto.

Ainda que as questões meramente ambientais estejam voltadas mais para a ecologia do que para a sustentabilidade, é necessário repensar quais os interesses por trás da gestão ambiental nas academias e nas organizações, refletindo sobre questões como: para quem e como tem sido operacionalizada esse tipo de pesquisa no âmbito nacional.

Érik Álvaro Fernandes e Carlos Eduardo de Lima são Estudantes do Programa em Pós-Graduação da Universidade Estadual de Londrina e pesquisadores da área de organizações e sustentabilidade.

Imagem: elaborada pelos autores
O Novelo – Seção GAIA