06/out/2018 por

O rascunho democrático III – O Iluminismo de lumieiro.

papel amassado

O Rascunho democrático 3 – O Iluminismo de lumieiro.

O rascunho democrático também tem verso, como todo bom rascunho, tentamos passar a limpo e acabamos alterando coisas que viram remendos toscos da própria obra.

Como já dito anteriormente nesta série, alguns setores da sociedade já vivem um “clima” de Estado de exceção; certas polarizações sem críticas internas severas e capacidade de ouvir as externas como algo do campo público estão nos deteriorando; estas foram algumas tentativas de demonstrar como vivíamos um casamento falido onde um tirano cônjuge se liberta aos poucos e se revela um possível assasino de sua companhia.

Nós estamos deixando coisas acontecerem que, do ponto de vista de quem se preocupa com seu próprio legado histórico, nos maculou na história do Brasil e, mais do que infelizmente, de forma trágica e selvagem, nos colocou como ignorantes trapalhões, em uma homenagem à inspiração do termo seguinte em um bate-papo com Carlos Galanni, The Game of Trapalhões¹.

[Algumas tragédias estão citadas no fim do texto, outras tantas aconteceram e não ficamos sabendo pois acabaram sendo encobertas por outros debates – É recomendado ler a lista, dar uma checada em pelo menos uma ou duas matérias/artigos de todas as citações.]

Essas tragédias históricas, culturais, científicas, entre outras potencialidades positivas para o progresso, se somam à tragédia que é a trama principal, nosso cenário político; o espaço público de debate racional acerca das possibilidades de projetos para a nação acabou se tornando uma rinha de galos².

De um lado está o monstro que se cria por descuido do criador. Este monstro surge da incapacidade do criador de perceber que a estratégia de combater uma persona ao invés da ideia que a mesma representa acabaria promovendo a besta fera, nada doutrinário, um combate feito com conhecimento científico e histórico, apenas .

Do outro lado, temos a fera, o monstro que foi criado mas tem dois responsáveis, o segundo progenitor acabou minguando de fome e está quase morto após retornar para o ninho e descobrir que vai perder o encanto do príncipe em breve, oremos para que não prolongue sua imunidade parlamentar, amém.

A besta fera também foi filhote, enquanto os progenitores se estapeavam, as pessoas começaram a olhar para a besta, era engraçadinha, bravinha como todo filhote seria. Uma graça.

A briga dos antepassados acabou se tornando monótona, ninguém mais lembrava quem começou, quem feriu mais, qual foi a maior agressão, a maior punição (a sede de sangue alcança as pessoas de maneiras diferentes), a maior injustiça, enfim, a besta fera começou a fazer algum sentido em sua graça, a discussão dos anteriores já tomara escalas e nuances de burocracias e tecnocracias tão específicas que o povo começou a ver aquele lero-lero mais simples como algo factível.

A sedução da besta não seduz para o abraço, nunca seria tão simples, o abraço te ilude e potencializa a chance de envenenar sua visão,  fazendo com que ela não perceba mais, como algo óbvio do processo civilizatório, a questão da destruição das barreiras sociais.

Ainda repetimos ecos de um passado tão próximo e influente sobre nós, fica impossível não perceber para os que minimamente estudaram nossa história, só o trivial da discussão, que ainda movemos certos mecanismos de reprodução de um comportamento extremamente provinciano, colonial e segregador.

Este veneno abissal, gosma regurgitada de monstros parasitas externos, combatidos com empenho em suas terras originais mas deixados livres por aqui, contamina uma sequência de capacidades analíticas que, em boa parte das vezes, já resulta de certa deficiência de influências pedagógicas adequadas, responsabilidade de uma gestão pública e um conjunto social hipócrita.

Quando se apossa do indivíduo não leva nem um centésimo de qualquer capacidade cognitiva, apenas as usa como caminho livre de empecilhos como a prática intelectual humanística, não venha dizer que porque alguém é doutor em física, o mesmo pode dar pitaco em política sem se dedicar ao estudo do tema, enfim, perdão; apenas usa estas capacidades como caminho livre de empecilhos para o ponto que realmente pode anular qualquer capacidade cognitiva.

O veneno da besta fera chega sem dificuldades ao departamento das paixões. Perceba que se por um lado ela pôde entrar na briga por causa de um progenitor mimado que não aceita perder, por outro, o progenitor foi um mestre na arte de brincar com certas paixões e surfar em uma onda que era só marola, do petróleo viemos…

Está montado o circo, falta apresentar alguns espetáculos da noite, não?

Pois comecemos com uma das impossibilidades visuais do entendimento político que o veneno abissal causa nos indivíduos:

A doença causada pelo veneno é conhecida como fascismo em alguns lugares, aqui no Brasil a palavra ficou tão vulgarizada quanto a catapora ou qualquer outra doença que o povo acredite que não precise de vacina. E este é um dos sintomas, utilizar de paixões, oriundas da ignorância, da religião mal interpretada ou qualquer soma maligna que isto possa causar, para combater. Isto, não existe nada do processo científico, quem dirá coleta de dados para questionar e validar a dúvida ou a resolução de um erro, o negócio é combater.

Neste sentido, começamos a discordar de coisas óbvias do ponto de vista científico como a capacidade das vacinas, criamos uma conspiração da indústria farmacêutica e tantas outras loucuras, não justificando as práticas das companhias farmacêuticas que também tem suas imoralidades, mas a distância entre o entendimento do desenvolvimento social por conta das vacinas e a capacidade interpretativa danificada pelas paixões é gigantesca³ (este conjunto de citações engloba o assunto seguinte).

Criamos uma interpretação única da realidade histórica global, enquanto nação, anunciamos para o mundo a nova descoberta.

– Povo de todo o mundo, ouça a boa nova, com toda a certeza que nossa convicção nos dá, O NAZISMO É DE ESQUERDA.

Dá uma vergonha…

Como se não bastasse, não quis pesquisar para não confirmar que foi a primeira ou uma das únicas vezes em que uma embaixada alemã teve que explicar isso para alguma nação e tomamos esta gentileza dos mesmos como um presente que não gostaríamos de receber mas precisávamos, agradecemos pela generosidade; nosso povo não estava saciado e foi ensinar aos alemães gabaritados de um consulado e uma embaixada o que era o nazismo, estamos de parabéns, né?

Sei que você conhece a história, só quis eternizar esta passagem em meu texto também, é um pedido de desculpas para o mundo.

Combater razão com paixões é um sintoma, não podemos esquecer que um dos progenitores incentivou o processo.

Outro sintoma do veneno da besta fera é a criminalização da igreja que defende os pobres, esta sempre sofreu retaliações mas, ultimamente, tem sido tratada como escória da sociedade:

Biografia e caso: Padre Júlio Lancellotti

[https://pt.wikipedia.org/wiki/J%C3%BAlio_Lancellotti]

[https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/09/promotoria-vai-apurar-agressao-da-gcm-a-padre-julio-lancellotti.shtml]

[https://ponte.org/padre-de-merda-gcms-xingam-cospem-no-rosto-de-padre-em-acao/]

Caso Frei Agostino

[https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/01/1952788-frei-e-detido-em-operacao-contra-o-trafico-de-drogas-na-cracolandia-de-sp.shtml]

[https://noticias.r7.com/sao-paulo/ativista-e-detido-em-acao-da-guarda-civil-na-cracolandia-centro-de-sp-23012018]

Coloquei estes dois exemplos referentes à Igreja Católica apenas para demonstrar que não está simples nem para a “religião oficial do Brasil”, os terreiros de religiões afro-brasileiras bem sabem que está muito difícil sobreviver em meio à violência religiosa. Se até o curso técnico de novela chamado Malhação abordou o tema, é porque o negócio não consegue mais passar desapercebido de forma tão simples.

É preciso notar que cada fato demonstrado aqui, seja por raciocínio ou por fato jornalístico, é uma chaga que se abre em nosso tecido social, podendo se alastrar ou ser contida, de qualquer maneira, o reparo sempre demora mais que o rasgo.

Como nos tornamos tão suscetíveis?

A resposta tem tantos elementos a serem considerados que a discussão se torna impossível de findar no contexto em que vivemos, sendo assim, a discussão que proponho a partir da exposição do nosso cenário histórico catastrófico, politicamente deteriorado em seu pior sentido, o racional é rasa pois existem muitas outras coisas que poderiam ser evidenciadas, corroborar e expandir a interpretação.

Esta discussão aborda apenas alguns elementos que tive a capacidade de concatenar nestes dias de sofrimento e reflexão, seja por capacidade cognitiva, emocional ou por acesso à informações.

O iluminismo acendeu na humanidade não apenas o caminho mas o brio, a vontade de percorrer, este movimento sonhou com o impossível sabendo que era questão de tempo, divulgou os resultados de suas reflexões, testes, comprovações, teve desdobramentos políticos, debates metafísicos e promoveu uma revolução com a base sólida que a renascença construiu.

Gosto de imaginar que a renascença fez o homem ressurgir como detentor do direito de responder às questões do mundo, a ferramenta escolhida depois de estabelecida esta prioridade foi a ciência, a lanterna que era a ferramenta da iluminação, sua luz abria caminhos e nossa engenhosidade energizava a lanterna.

Assim construímos um mundo de possibilidades, bastava conhecer as coisas para podermos facilitar nossas vidas, divulguemos a civilização, será maravilhoso.

O Brasil vivenciou estes momentos como o turista que não desembarca na viagem do cruzeiro, vê uns indo e vivendo mas prefere o conforto interno. Quando este turista retorna ao seu círculo de convivência conta como eram os lugares em que esteve, assim é a nossa concepção de educação enquanto sociedade.

Nossa estrutura educacional é uma máquina de moer almas, colocam os professores em disputas internas que não fazem sentido, suga as horas de vida, o ânimo, destrói e, eventualmente, corrompe. Um ambiente insalubre para educandos e educadores.

Ainda assim, existem profissionais competentes, dedicados e é somente por causa destes que o barco ainda navega, de vento contra, remando, mas navega. A batalha do professor em sala de aula é vista bem de longe pela sociedade, tão de longe que se criam teorias da conspiração acerca da capacidade de lobotomia e implantação de nova personalidade, como as paixões dominam e impedem o conhecimento de se efetivar, não conseguiram compreender ou cunhar tal termo e chamaram de ideologia de gênero.

O Iluminismo Tupiniquim foi produzido pela luz do lumieiro, alumia mas…

Esta incapacidade socialmente produzida de não poder entender o papel, funcionamento, avanços, consequências, entre outras coisas que rondam a ciência e suas potencialidades acaba se refletindo em como a população em geral percebe a ciência.

Neste ponto, podemos aparar a ideia aqui apresentada evidenciando que a mídia não ficou de fora da discussão, principalmente as notícias falsas (já temos um termo em português) e que tudo isso foi dito pensando nesta questão, até este ponto o real interesse deste texto foi subtraído para a apresentação de seu contexto e causa.

Agora que os pontos anteriores foram apresentados, te proponho uma reflexão, não estou determinando nada e, menos ainda, exigindo resposta, apenas reflita.

Entendendo que existem alguns elementos da vida em sociedade que nos auxiliam a organizar o mundo e nos dão respostas acerca do mesmo, podemos dizer que a religião faz parte deste grupo de elementos e tem como base de sua sustentação a crença em algo.

A definição de fé é a crença em algo sem a necessidade de comprovação, sendo assim, espera-se que um fiel tenha como fundamento mór sua capacidade de acreditar no que lhe é proposto, ou seja, a religião é uma questão de crença, óbvio mas nem tanto.

O problema é que o Iluminismo de lumieiro tropeçou, não conseguiu difundir seu espírito libertador por não ter respaldo social e menos ainda político, poucos indivíduos realizaram transformações realmente importantes, boa parte deles eram profissionais da área, a iniciativa social ou política sempre tendeu a complicar o processo. Causa e consequência em um mesmo defeito, recriou o que combatia.

Pois restou ao cidadão médio acreditar na ciência, este é o absurdo da coisa, na incapacidade de compreender os fenômenos científicos tem que acreditar que aquilo vale de algo, nesta semana ovo faz bem e na outra faz mal, eu não faço a menor ideia do que mudou de fato entre uma análise e outra!

A ciência se torna questão de fé, o médico estuda anos, passa por rigorosos processos seletivos e atualizações em sua área de especialização e quem salvou o paciente? Se o remédio alivia a dor, preciso saber como funciona? Ler bula se não entendo patavinas?

Resta-me acreditar.

Transferir para a mídia era inevitável, contexto, obra, paixões, tudo encaminhava para que passássemos apenas a acreditar, se foi escrito, é verdade. Não tenho dimensão do poder das palavras, falha política, pedagógica, social.

Não entendo o que pode ser ou não considerado um fato, como distinguir mentira de verdade?

Não consigo reunir conceitos para elaborar uma interpretação, como memorizar fatos jornalísticos sem o viés da paixão?

Este problema não é resultado da história recente, estou citando iluminismo para expandir a crítica; apenas aponto o que hoje está dado, essa história não tem 500 anos, o negócio é que apagamos os restantes ao silenciar [assassinar] suas testemunhas ou ao queimar seu legado, o nosso processo histórico nos colocou em xeque-mate novamente.

O rascunho democrático é escrito pelos políticos mal intencionados eleitos por pessoas que jogam com o pouco que lhes é retribuído mas, quem amassa e redige uma nova versão é a mídia e quem financia é o capital.

Com Supremo, com tudo.

A besta fera não é uma pessoa, a besta fera é uma ideia que deixamos aflorar porque estávamos cansados da novela de sempre. A besta fera era representada mais amplamente por uma pessoa que acabou ganhando destaque, hoje há uma legião em formação e estamos praticamente de mãos atadas, como os bombeiros que por um bom tempo foram lá apenas assistir ao museu queimando por falta d’água, no nosso caso, falta de luz.

O Iluminismo de lumieiro nos deu esperança, e só.

Nota do Autor:

Esse texto é resultado de experiências trágicas e outras positivas, fica impossível dar conta de elencar todas por qualquer aspecto que seja, sendo assim, quero deixar algumas em evidência e dizer que todas foram importantes no processo.

Agradeço à minha esposa pelo ombro e ouvido que compartilhamos mutuamente, ao meu filho por ser uma luz que sopra bondade, inocência e esperança nestes dias tristes; agradeço aos meus amigos com quem dividi este papo em pequenos capítulos e em rodas de conversa que varam noites. Gostaria de agradecer às minhas lindezas de pessoas que tenho a honra de aprender enquanto ensino em um grupo de estudos que é uma fagulha de esperança e convívio aconchegante e ao grupo de lindezas que trabalham comigo em um projeto maravilhoso que estamos elevando em qualidade.

As coisas ruins não quero evidenciar aqui pois a proposta do texto é partilhar a esperança a partir de um ponto de vista que tenta ser objetivo em seu limite, esperança de que as coisas tomem este caminho. É uma lástima que não possa deixar de fazer referência ao horror que nos tomou saber que o fruto bate à porta de várias casas, inclusive a nossa, descanse em paz. Que nenhuma alma a mais seja findada por ódio. Nenhuma.

https://revistaladoa.com.br/2018/10/noticias/um-gay-morto-no-armario-e-um-assassino-obcecado-por-bolsonaro/

Referências:

¹ Tragédias históricas:

Museu nacional

[https://pt.wikipedia.org/wiki/Inc%C3%AAndio_no_Museu_Nacional_do_Brasil_em_2018]

[https://brasil.elpais.com/brasil/2018/09/05/politica/1536160858_009887.html]

Biblioteca Nacional

[https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2018/09/03/outros-predios-historicos-do-rio-sofrem-com-abandono-do-poder-publico.ghtml]

[https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2015/01/1584014-acervo-nao-esta-em-risco-afirma-presidente-da-biblioteca-nacional.shtml]

Fachada da biblioteca

[http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/editorias/2.804/estrutura-da-biblioteca-nacional-preocupa-1.798869]

[http://portal.iphan.gov.br/noticias/detalhes/4696/fachada-da-biblioteca-nacional-no-rio-de-janeiro-rj-e-totalmente-restaurada]

Museu da Língua portuguesa:

[https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2018/07/em-reforma-museu-da-lingua-portuguesa-tem-cobertura-concluida.shtml]

[http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2015/12/incendio-atinge-museu-da-lingua-portuguesa-em-sp-dizem-bombeiros.html]

² Violência e polarização:

[https://piaui.folha.uol.com.br/com-medo-do-proprio-suplente-candidata-do-psl-ao-senado-usa-colete-prova-de-balas-em-comicio/?doing_wp_cron=1538824338.4499380588531494140625]

[https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/discussao-sobre-politica-acaba-em-agressao-na-rua-augusta.ghtml]
[https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/eleicoes/2018/noticia/2018/10/02/policia-investiga-agressao-e-tiros-em-discussao-envolvendo-campanhas-politicas-em-belford-roxo-video.ghtml]
[https://politica.estadao.com.br/noticias/eleicoes,ambiente-agressivo-entre-eleitores-nas-redes-sociais-e-nas-ruas,1578669]

[https://educacao.uol.com.br/noticias/2018/04/14/discussao-entre-professor-e-aluno-vira-motivo-de-ameacas-no-facebook.htm]

assassinato por discussão política

[http://aconteceunovale.com.br/portal/?p=95443]
[https://www.gazetadopovo.com.br/politica/republica/estande-de-tiro-causa-polemica-ao-usar-caricaturas-de-lula-e-dilma-como-alvo-3z0n7yoezgu13kj9vcxs89inb/]

[https://redemassa.com.br/tribuna-da-massa-3/2018/10/01/discussao-por-causa-de-politica-acaba-em-briga-em-rua-do-batel-35139/v/]
[http://blogdovalente.com.br/justica/2018/01/discussao-politica-em-grupo-de-whatsapp-acaba-em-briga-e-indenizacao-de-r-2-mil/]

³ Vacinas e Nazismo

Movimento antivacina:
[https://saude.abril.com.br/blog/cientistas-explicam/por-que-o-movimento-antivacina-nao-tem-um-pingo-de-sentido/]

[https://oglobo.globo.com/saber-viver/fake-news-reforcam-movimento-antivacina-no-mundo-22934714]

[https://brasil.elpais.com/brasil/2017/10/02/ciencia/1506938178_101257.html]

Vídeo aulas sobre vacina:

Canal do Pirula:

[https://www.youtube.com/watch?v=hUvHKz3ugOg]

[https://www.youtube.com/watch?v=2p9vqg8_Hsk]

Nerdologia:

[https://www.youtube.com/watch?v=MiIZlSNAu0E]

Nazismo é de esquerda:

[https://congressoemfoco.uol.com.br/direitos-humanos/brasileiros-contestam-video-da-embaixada-alema-sobre-o-nazismo/]

[https://www.infomoney.com.br/blogs/economia-e-politica/economia-e-politica-direto-ao-ponto/post/6037683/nazismo-esta-muito-mais-esquerda-que-direita-entenda]

[https://www.facebook.com/bolsonaro.enb/photos/a.232896736902958/394921124033851/?type=1&theater]

[https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/deutschewelle/2018/09/17/brasileiros-criam-debate-que-nao-existe-na-alemanha.htm]