06/abr/2018 por

Mulheres de Wakanda

black-panther-mulheres-wakanda-1170x658

Em primeiro lugar, o filme mais comentado de todos os tempos, para o povo negro, é com certeza o “Pantera Negra”. O super herói de quadrinho da Marvel, que narra a história do príncipe T’Challa, que já arrecadou mais de US$1 bilhão em bilheterias.

Ainda estou sobre o efeito do filme, não apenas pela boa qualidade do mesmo e o conjunto da obra. Mas, pela força das mulheres negras ali deliberadamente exibida com glamour.

Posteriormente, ao que vi, e senti. Já estava totalmente envolvida, embriagadas com aquelas mulheres “ficcionais”, empoderada. E assim, fui buscando suas características.

Uma Matriarca forte e sábia, disposta a tudo inclusive ver seu filho morrer por um ideal, pela manutenção de um reinado justo e igualitário;

Uma jovem, corajosa, crítica e engajada socialmente, que desbrava o mundo e acredita que pode ajudar a melhorar a vida de outras pessoas, compartilhando a riqueza que se tem;

As que cuidam das ervas, das flores azuis, das ervas que alimentam o espírito e a alma felina;

Uma líder, General com uma lança na mão, se movimenta como um raio de Iansã, que enfrenta um rinoceronte, o homem  amado pelo que acredita que é certo;

Um exército composto por outras mulheres/irmãs, de espíritos tão guerreiros que fizeram lembrar-me de Nzinga e Dandara dos Palmares;

Uma jovem atenta e conectada com o mundo, e o melhor que a tecnologia pode oferecer. Além disso, assume o compromisso em levar aos jovens negros seus conhecimentos.

Todas juntas, por único objetivo, proteger seu povo, seu país e seus tesouros naturais. Todas por Wakanda!

Vale a pena dizer, Wakanda é uma nação fictícia, utópica e afrofuturista. Aliás, é mais um sabor a ser acrescentado, nesta obra cinematográfica tão bela.

Vejo todas estas mulheres, sempre, ao nosso entorno. Cada qual com seu fazer, ao seu tempo, momento. Mas, nunca sozinhas, ou, isoladas. Estará sempre interligado pela teia, o fio da vida que as unem pela luta contra a opressão contra mulher, preconceito e o racismo.

Acompanhe as publicações e curta a página d’O Novelo no Facebook aqui