Bernardo de Oliveira


    Bernardo de Oliveira
    Doutor em Antropologia pela PUC-SP




    Postagens de Bernardo de Oliveira:



    • (Em) Estado de Choque



      Amar é do complexo da maré. Tenhamos Fé. Fiquemos de pé. Xangô meu pai traga justiça. A lei não é para todos? Como é que é? Onde erramos minha mãe? Onde errei minha mãe? Eparrei minha mãe! Eparrei Iansã! Envia-nos um raio de sua complacência. Tupã! Senhor do tempo. Já não há mais paciência. Sufocadas, internamente é tudo vazio. Tudo oco. Oco. Oco. Oco. Oco. Oco. Oco. Oco. Oco. [...]



      Leia mais


    • A criança que está em mim saúda a criança que está em você



        Sabe aquele sentimento que te faz seguir adiante? A sensação de que tudo é possível, na qual a palavra não dificilmente é entendida. Sabe aquela força que nos tira da cama? Certa vez ouvi de um filósofo que a vida que vale a pena ser vivida é a vida realizada, plena e espremida gota a gota. A vida esgotada em si mesma. Vida que não segue cronograma. Vida que tem sua própria lógica, e que muitas vezes lógica alguma segue, vid [...]



      Leia mais


    • Manifesto pela Esperança



      Em tempos de apatia, eu sou empatia.   Ingênuo? Talvez. Passo a vez!   De tempos em tempos, é preciso o revés.   Impreciso é. Da sua insensatez não sou freguês.   Malas, áudios e nada que nos toque.   Se toque!   Grana é grama. Nesse pasto sou anta.   Ama. E não se engana. Essa paz emana.   Em tempos de ódio, eu sou mais um. Só mais um: um nó, [...]



      Leia mais


    • Crise para que te quero?



      Sentado à janela, já se foram duas xícaras de café. Que por sinal, não foram suficientes para me acordar. Ainda mais sabendo que a reforma trabalhista foi aprovada do jeito que foi pelo Senado brasileiro. Dizem que Voltaire era fascinado por café, chegando a tomar de 20 a 40 xícaras diariamente. Talvez eu precise de mais café para escrever melhor. Como de costume, abro o Twitter pela manhã. Confesso que não consigo mais começar o di [...]



      Leia mais