13/out/2017 por

A última rainha celta

Screen Shot 2017-09-22 at 09.08.52

60 anos antes de Cristo. Toda a Bretanha era território ocupado por Roma e suas invencíveis legiões. Toda? Não! Algumas tribos celtas ainda ousavam resistir ao invasor. Quando o Império decidiu atacar a ilha de Mona, refúgio dos druidas, os rebeldes se revoltaram.

Boadicea, Rainha dos Icenos, foi escolhida pra liderar a todos. Ela invocou Andrastes, antiga deusa pagã da vitória, e, com 100.000 guerreiros e guerreiras ao seu lado, marchou contra Londinium, a atual Londres, devastando tudo em seu caminho.

O exército romano que outrora derrotara Átila, o Huno, chamado Flagelo de Roma, Aníbal Barca, O Conquistador dos Alpes, Vercingetórix, senhor de toda a Gália, foi derrotado e humilhado por Boadicea, os soldados remanescentes fugiram para não serem dizimados.

A rainha guerreira então queimou Londres até que somente restassem cinzas. 

O sonho de uma Bretanha independente, porém, era ilusório. Roma se recuperou, como sempre fez, retornou, reconquistou Londres, massacrou os revoltosos e, para quebrar seu espírito, capturou, estuprou e crucificou as duas filhas de Boadicea.

Não se sabe ao certo o fim da então última rainha livre da Bretanha, mas historiadores suspeitam que ela teria se matado em solo sagrado celta. Hoje, uma estátua dela e de suas filhas marcha enternamente em sua carruagem, mantendo guarda no centro de Londres. Sob ela, a inscrição:

“Regiões que César jamais conheceu,

Boadicea, tua posteridade governará.”

Acompanhe as publicações e curta a página d’O Novelo no Facebook aqui